Traduzido por Patricia Paiva

O semblante de Buda é como a lua cheia clara,
Ou novamente, como mil sois exalando esplendor.
Seus olhos são puros, tão largos e tão abertos como um lótus azul.
Seus dentes são brancos, alinhados e próximos, tão brancos como um jade branco.
-do Suvarnaprabhasa (Suvarnabhasottama) Sutra

Restos fósseis datados do Lótus Azul, Nymphea caerulea savigny, que nos mostram que pequenas mudanças ocorreram em 160 milhões de anos. Nos primeiros raios do sol do dia, ela abria revelando pétalas lancetadas que ao meio-dia fechavam para se esconder na água e não aparecer no dia seguinte. Sua beleza e propriedade medicinal foram imortalizadas na arte e nos mitos por milênios. Algo pode nos tocar de forma estranha sobre essas linhas da escritura. Qualquer um que já foi a China ou Índia está familiarizado com as flores de lótus: elas são brancas, rosas, cremes ou coloridas de rosa ... Mas are não são azuis.

Estamos todos preparados para visualizar os olhos azuis de Buda. Ele era um ariano, descendente europeu, um homem nobre em um sistema social monárquico que não tem relações oficiais com outros povos. A rigidez do sistema pode ser visto ainda em gerações mais tarde. Mais de mil anos depois, Bodhidharma, outro descendente ariano, foi chamado de O Demônio de Olhos Azuis pelos chineses.

Também, em anos recentes temos testemunhado o começo de descobertas sobre múmias caucasianas de cabelo vermelho e loiro de mil anos de idade na área ocidental da China em Takla Makan. Sabemos sem dúvida que os arianos eram presentes no oriente bem antes da era Cristã; mas Nymphea caerulea savigny, o lótus azul, não era. A planta desapareceu da região inteira durante a Era do Gelo há mais de dez mil anos atrás.

Nesse copo egípcio de aproximadamente 800 A.C, nós vemos o tema do lótus azul comum na arte Antiga Egípcia. Acima, suas pétalas pontudas triangulares em baixo-relevo mostrando seu pantanoso habitat. O que fez o lótus azul tão significante, tão reverenciado na memória ou lenda que as escrituras o selecionaram para descrever a cor dos olhos de Buda? Muitos objetos poderiam ter servido como referencias para o azul. Até mesmo o céu poderia ser o suficiente. Ainda assim, uma flor desconhecida foi escolhida.

Nós Budistas ficamos nos perguntando por que séculos passaram sem ninguém saber quais qualidades havia no lótus azul que teria sido escolhida para representar tal categoria: os olhos abertos do que estava Acordado.

Estudiosos logo perceberam a presença universal do lótus azul na arte egípcia. E em todo lugar que aparecia nas tumbas ou nos templos, era um símbolo potente e benevolente: uma face pressionada gentilmente contra a flor para inalar seu pólen ou para apreciar o seu cheiro; uma taça de vinho recebe uma infusão de lótus esmagada , a melhor forma de saborear a bebida; buques eram oferecidas ao faraós assim como os faraós ofereciam a outros deuses, em reverência e com certo conhecimento de que aquelas flores, ao invés de jóias, eram ofertas perfeitas para as divindades; um recém chegado Sol emerge do lótus azul que flutuava na superfície do Agora, o pré-primordial das Águas do espaço do infinito e tempo infinito no qual o Universo nasceu.

Pesquisadores aceitaram o lótus, pois concluíram que como o Lírio da Páscoa que simboliza a Ressurreição, a Poinsettia o Natal, e muitas variedades representam pessoas sagradas, qualidades Hieróglifo egípcio representando o renascimento do espírito do centro do lótus. e eventos, o lótus azul meramente simbolizava bem estar e vida longa para os egípcios, possivelmente mesmo a ação da criação e isso era tudo.

E os olhos de Buda? Pesquisadores olharam para os índios modernos e acharam a ideia absurda. Azul era mal interpretado como uma leitura errada da palavra “limpa” que simplesmente indicava que seus olhos não tinham sangue ou icterícia ou, mais abstratamente, que eram capazes de grande e celestial discernimento. Geralmente a linha da escritura era considerada outro exagero caprichoso das Trinta e duas Marcas do Super- homem. Geralmente, entretanto, preconceitos raciais e étnicos eram evocados, tanto para validar a imagem tradicional da imagem do Buda Asiático ou para dar suporte aos requerimentos Teutônicos de uma deidade aceitável, uma que suportasse a suástica no peito e fosse o fundador do caminho Ariano. Pacificadores desafiaram todas as discussões, considerando a cor dos olhos de Buda absolutamente irrelevante. Ninguém se perguntou sobre a flor azul de lótus. A natureza inerente da flor foi ignorada.

Olhando para o Universo, vemos nada além de outras galáxias no vasto vazio do espaço. Os antigos não sabiam distinguir estrelas de galáxias porque olhavam para o céu cheio de pontos de luz a olho nu, mas os mitos e a arte antiga mostravam alguns envolvendo o lótus azul, o que nos mostra que eles tinham conhecimento do espaço infinito e do tempo infinito- um conhecimento que os modernos cosmologistas ainda estão debatendo para entender. Mas há de fato uma mensagem oculta naquela escolha de azul e só recentemente que foi tentado decifrá-la.

Cientistas da Universidade de Manchester, na Inglaterra, perguntaram o que deveríamos ter perguntado durante todo esse tempo: O que havia no azul do lótus que o fazia tão notável?

Eles testaram amostras da flor e então compararam seus resultados com flores que tinham sidos removidos dos sarcófagos egípcios antigos. Os resultados indicaram que as propriedades das flores eram idênticas: a flor viva da flor de lótus era a mesma flor que os antigos reverenciavam; e as propriedades químicas da flor eram as mesmas dos remédios populares de gingseng e gingo bi loba e da pílula azul, Viagra.

ós sabemos hoje que o lótus azul possui nuciferine, m composto hipnótico conhecido para relaxar os músculos e tem propriedades de dilatação de vasos, hipotensivos e antiarrítmicos. Quando as sementes da planta esmagadas ou concentradas são misturadas ao vinho, um estimulante sexual potente é produzido. Nuciferine, um componente do lótus azul, é agora conhecido como vaso dilatador, hipotensivo e antiarrítmico.

Muito mais que uma droga para se “sentir legal” do Reino unido, o lótus azul poderia ter sido uma droga para tratamento de enxaquecas, Alzheimer, problemas cardíacos e uma variedade de problemas sexuais que eram aliviados por melhorar a circulação sanguínea. Especialmente considerando que as doenças e infestações parasitas que afligiam nossos ancestrais, e até hoje nos prejudicam, esta versátil planta foi verdadeiramente uma verdadeira benção. Por ter um preconceito bobo na interpretação das escrituras e na arte, nos privamos de seus benefícios por séculos.

Uma pintura esculpida em Madeira achada no corredor da tumba de Tutankhamun mostra uma cabeça de um menino novo representando o deus sol infantil, Nefertem, se levantando do lótus azul, do qual nasceu o oceano primordial. Preconceito sega e neutraliza. Nunca teve a ver com as fontes de investigação. Não era preciso utilizar espectroscópios ou nenhum equipamento sofisticado para descobrir as propriedades do lótus azul. Poderíamos simplesmente juntar flores, cheirá-las, comê-las e concentrar sua essência e seguindo as instruções ilustradas nas paredes dos templos, misturar com vinho. O mistério seria resolvido se alguém tivesse feito isso.

Preconceito sega e neutraliza. Nunca teve a ver com as fontes de investigação. Não era preciso utilizar espectroscópios ou nenhum equipamento sofisticado para descobrir as propriedades do lótus azul. Poderíamos simplesmente juntar flores, cheirá-las, comê-las e concentrar sua essência e seguindo as instruções ilustradas nas paredes dos templos, misturar com vinho. O mistério seria resolvido se alguém tivesse feito isso.

Agora percebemos que o lótus azul possuía habilidades extraordinárias que suas qualidades se tornariam lendárias; a palavra sobre sua significância cultural se espalharia através dos continentes vastos, levando sua importância para outras espécies de lótus que não possuíam as mesmas qualidades químicas do lótus azul.

TA arte e a cultura da Índia e o resto da Ásia, não falam de lótus azuis, mas eles falam da criação de mitos muito parecidos com os do Egito antigo. Por exemplo, na Índia antiga, o Hiranya Garbha Gayatri era cantado em devoção à Lótus Celestial, o útero ou o ovo de ouro, do qual Brahma, a infinita fonte de tempo, espaço e causa emerge:

"Om Premathmaanaya Vidmahe

Hiranya Garbhaaya Dheemahi

 hannah Sathya Prachodayaath"

Na China e em outras partes da Ásia Leste, onde podemos encontrar uma variedade de lótus rosas e brancas em trabalhos de arte budistas, descobrimos que como o deus sol infantil egípcio, Buda, Bodhisattva, ou outra deidade celestial ou uma flor aberta como se a própria flor tivesse dado luz ao grande Princípio Cósmico.

Mitos de criação antigos, entretanto, falam do lótus azul e são esses mitos que foram evidentemente conhecidos como Arianos antes de Cleopatra e Alexandre, nas terras distantes da Índia onde a flor não nascia.

Guan yin (Kannon) olhando para o caminho de lótus rosa. O lótus rosa é onipresente na arte asiática e representa um salvador celestial, um símbolo arquetípico do infinito e da eternidade. Ilustração de cortesia de Xin Shakya do Templo Hong Fa Shen Zhen China. Sabemos que havia comércio de antiguidades entre a Europa e a China. Artefatos chineses foram encontrados nas ruinas profundas de Troy. E, como Claude Bjork, um arqueologista da Universidade de Stockholm afirma que existe a presença de materiais antigos na Europa, especialmente obsidiana, jade, bronze e seda, indica que houve de fato contato entre o Ocidente e Oriente desde 2000 A.C. As múmias loiras de Urumchi na Takla Makan também mostram que os Europeus viajavam da China antiga durante esse período e que eles carregavam tecidos europeus, trigo e outras comodidades com eles. A reputação do conhecimento sobre o lótus azul poderia ter facilmente sido espalhado globalmente por séculos antes do caminho da seda para se tornar o maior condutor de comercio entre o Leste e o Oeste.

“bem na nossa cara” por séculos; mesmo assim, nós ignoramos isso. Muitos de nós abraçamos a farmacologia moderna e damos risada dos remédios de ervas da medicina alternativa, remédios que constituíram uma farmácia inteira a menos de um século atrás. Com certeza, pensamos, tudo que precisássemos inventaríamos.

A ironia é que o conhecimento das qualidades saudaria da planta estava ‘bem na nossa cara’ por séculos; mesmo assim, nós ignoramos isso. Muitos de nós abraçamos a farmacologia moderna e damos risada dos remédios de ervas da medicina alternativa, remédios que constituíram uma farmácia inteira a menos de um século atrás. Com certeza, pensamos, tudo que precisássemos inventaríamos. Por muitos séculos o Viagra e outros vasos-dilatadores foram necessários, mas não foram encontrados. Só agora, quando finalmente levantamos aquelas Cortinas de Bambu e Ferro que dividiram continentes inteiros por mais de meio século, que o comercio internacional que existia há cinco mil anos atrás se tronou evidente. Começamos a entender que o conhecimento médico era mais avançado do que esperávamos.

Apesar de geralmente não confiarmos nas intuições de nossos ancestrais antigos, há vezes quando seus insights nos deixam boquiabertos. Por exemplo, é maravilhoso observar como as teorias da física moderna sobre o universo estão refletidas nos símbolos dos mitos sobre a criação que passaram por gerações de milhares de anos. Muitos físicos ponderaram a forma do universo no começo. Modelos matemáticos sobre possíveis estruturas de energia-densidade e tempo-espaço nos lembram, de muitas formas, quando as pétalas da flor se abrem.

Modelo físico do universo em formas intrigantes. Um universo com curva negativa, como representada em forma hiborboloide de energia-fluxo na esquerda que representa o universo aberto; no qual o universo se expande sempre no tempo. Um universo com uma curvatura zero ou positiva, que por outro lado, é representada por uma esfera e mostra o universo fechado. Cientistas agora sabem que nós vivemos em um universo aberto, um que se expande em tempo e espaço para sempre. A teologia budista sempre favoreceu o infinito um modelo de flor; para nosso Buda Amitabha, que tem outro nome Amitayus- o significado anterior de luz infinita, e mais tarde, tempo infinito. (Ilustrações do Website Oficial da Teoria Das Cordas-cortesia). Há incontáveis exemplos dos insights dos nossos ancestrais: restos de esqueletos de 5000 A.C mostram o conhecimento sobre cirurgia cerebral e o uso de antibióticos antes de 4500 A.C, Bétula foi usado também para preservar comida, pois tinha propriedade antimicrobial e por volta de 3300 A.C, viajantes europeus estavam a mastigando e a carregando junto com antibióticos em seus kits de medicina. Há também uma evidencia de que os homens das neves tiroleses que moravam durante esse tempo usavam acupuntura que foi provavelmente originada na Europa e carregada para a Ásia por viajantes. Engenharia genética pode ter começado com fazendeiros Neolíticos que com sucesso modificaram e cultivaram meandros. Mesmo o computador tem origens antigas. O “Mecanismo de Antikythera” foi achado em um naufrágio datado antes de 100 A.C; foi feito de epicícloidal e rolamentos diferenciais, e incluía dígitos e epígrafes para instruções de operação.

Falhamos em olhar para nossos ancestrais com gratidão e reverência suficientes por sua sabedoria e coragem que nos trouxe para onde estamos agora. Ocasionalmente, preferimos imaginar que somos superiores que nossos ancestrais. Escondemos nossa condenação de práticas religiosas ou culturais que são aliadas a nós ao chamá-los de remanescentes de um passado bárbaro. Assumimos que as crueldades do Coliseu Romano ou da Inquisição Espanhola são representações de um estágio primitivo do qual nós evoluímos grandemente. Nos gabamos da sofisticação tecnológica do século 20: energia nuclear, visitas à lua, a Internet; mas estamos cegos por causa do nosso orgulho e preconceito religioso, que no mesmo século, nos trouxe o Holocausto, o Massacre de Nanquim, as mortes nos campos em Camboja, e outras atrocidades em grande escala e variedade que nenhum coração humano pode aguentar descrever ou enumerar.

 

Antikythera MechanismO Mecanismo Antikythera é o mais velho computador que conhecemos. Foi descoberto em um naufrágio no século primeiro A.C perto de Creta e foi usado para navegação. Feito de bronze, utilizava muitos princípios matemáticos e físicos achados no navio ( no topo do lado direito): esquema original do aparato depois do artifício ter sido analisado com um raio x (abaixo lados esquerdo e direito). Dois modelos modernos do aparelho de reprodução, fabricados por Jonh Gleave do Reino Unido. A unidade se levanta aproximadamente 12 polegadas.

Sofremos hoje sem necessidade nas mãos da tecnologia, não por conta dela of technology, but because of our relationship to it. mas por conta de nossa relação com ela. Como nós ignoramos a natureza atual do lótus e seus usos, substituindo opinião simples por investigação séria, nós adoramos inovações tecnológicas usando novos aparelhos sem considerar seu propósito e qualidade de seu uso. Que podemos alcançar um objetivo e este se torna razão suficiente para usá-lo e valorizamos tecnologia pela tecnologia. Temos computadores, celulares, beepers, televisões com milhares de canais, mas e a qualidade dessas comunicações? Nosso email está cheio de spams, correntes idiotas e pornografia. Nossos celulares tocam incessantemente com solicitações. Nossas contas bancárias diminuem enquanto compramos uma vasta gama de parafernálias que prometem facilitar nossas vidas. Mas não é isso que acontece. Não estamos nem melhores e nem mais felizes pelos toques, bips e piados. Estamos estressados pela vida que é rápida, cansados por falta de sono, e com raiva, pois somos negados a oportunidade de “paz e silêncio”- a solidão que todos queremos.

Nossa atitude em relação à vida tornou-se trivial. Imagens da vida dos seres humanos são eliminadas da arte; e junto com essa omissão, os valores humanos desaparecem. Produzimos melhores computadores, mas não Davis ou Capelas Cistinas. Nossa poesia cresce com prolixidade abstrata, decline em expressão emocional simples.

15.000 anos atrás, esses bisões foram esculpidos de argila na caverna de Le Tuc d’Audoubert na França. Mesmo assim, reconhecemos que o Espírito Humano quando encontramos os remanescentes do passado. Quando lemos o trabalho de Platão ou vemos as estátuas gregas somos tocados; e quando vemos o trabalho artístico profundo e a beleza da caverna de Lascaux de civilizações que existiram anos antes da Era do Gelo, ficamos mais than touched. que tocados. Ficamos em êxtase.

Vinte cinco mil anos antes dos ensinamentos de Buda sobre o que é Real não pode ser mudado inerentemente e então vai além do tempo. A arte pintada pelos antigos de Lascaux parece irradiar esta qualidade que vai além do tempo e que Buda pregou. Podemos hoje melhorar a arte desses antigos artistas?

Tudo que nos faz humano continua: ainda assim, enquanto formos os superiores tecnológicos sobre nossos ancestrais, não seremos de forma alguma seus superiores na poesia, arte cênicas, arte, música, filosofia ou em nenhuma expressão espiritual. Nem em decência e nem em integridade.

Arte de nossos ancestrais de 31.000 anos atrás que está bem preservada nas cavernas de Lascaux, na França. Que esses antigos viviam em uma cultura avançada é clara, não só das histórias contadas pelos desenhos dos animais, mas pelo fato que o esforço daquela comunidade organizada era necessária para poder penetrar no fundo daquelas cavernas escuras. Zen requer que nos mantenhamos em estado de admiração e maravilha, aquela curiosidade pura sobre as coisas que vemos e experimentamos, aquela pesquisa por significado e significante que é tão notável nos trabalhos do homem antigo. Não podemos permitir que a tecnologia diminua nossa admiração e busca pela curiosidade sobre o significado da vida. Não podemos olhar para nossos ancestrais como fosse nosso período gestacional, uma fase insensível da existência. Temos que ficar atentos em relação ao espírito de questionamento sempre. Se tivéssemos trazido integridade cientifica às imagens que vimos nas tumbas egípcias e o questionamento sobre por que o lótus azul descreve os olhos de Buda, teríamos aprendido que não só a flor simboliza longa vida, boa saúde, prazer sexual, mas que ela realmente tem esses benéficos.

Enter the Path! There spring the healing streams
Quenching all thirsts! There bloom the immortal flowers
Carpeting all the way with Joy! There throng
Swiftest and sweetest hours.

           -- The Buddha, from Sir Edwin Arnold's The Light of Asia

Não sabemos quais “flores imortais” Buda estava se referindo, mas se forem lótus azuis, nós permitimos que nossa arrogância moderna obscurecesse esta importante informação.